segunda-feira, 15 de julho de 2013

Demos as mãos como de todas as vezes em que saímos, mas por detrás desse gesto estávamos ambos cientes da conversa pendente. O meu corpo queimava. Segui-te até uma mesa da esplanada. Por cima do rio. Por cima do Porto cheio de luz. À medida que a noite nos arrefecia percebemos ali naquele instante que não valíamos nada. Nada. Ao fim de quase uma mão cheia de anos juntos percebemos ali, naquela mesa perdida à beira rio que não sabíamos nada um sobre o outro. E quanto mais falávamos menos ficávamos a saber. Eu pedi-te, tantas vezes, para que voltasses a explicar. E os teus olhos grandes faziam-no largando as palavras de uma forma meiga. Estavas tão perdido quanto eu. Entendemos ali os dois o que não fomos capazes de dizer. Fizeste-me um avião com uma folha velha e eu guardei-o em silêncio. Não conseguiste esconder o sorriso... Desta noite vou guardar muita coisa. Guardo também a coragem que tive, ao agradecer-te, no caminho para casa, pela pessoa que me ensinaste a ser. Guardo as palavras que me deste entre beijos depois de teres encostado o carro à direita em plena auto-estrada.

21 comentários:

tatianap disse...

Agarra sempre a esperança, enquanto ela se fizer sentir. Que nada se perca, sê forte!

tatianap disse...

fico "aliviada" por saber :) e, muito obrigado

bruna disse...

Foi bonito, apesar das circunstâncias. :)

Catarina Luna disse...

Daniela, gosto tanto quando falas de amor, do teu amor. Espero que andes bem :)

claire disse...

ainda bem que gostaste e que de alguma forma te fez refletir! isto está um mimo, guarda tudo o que é vosso, guardem-se:))

Cláudia Ribeiro disse...

tu encantas-me sempre, gostei tanto!
r: nisso tens razão.

Catarina Luna disse...

e eu tuas <3
passo aqui sempre que posso para te ler.

disse...

oh, se tu soubesses como me apaixonei pelas tuas palavras. tens uma maneira bonita de descrever as coisas, e isso apaixonou-me e fez-me querer voltar a ler-te mais vezes. vou seguir-te, um beijinho de obrigada!

bruna disse...

Será certamente uma memória para a vida, então :)

han disse...

é bom saber que te dou espaço à interpretação, que possas colocar algo de ti no que escrevo, é uma das coisas que mais me agrada na escrita. e especialmente bom saber que me tens acompanhado e esforçado por entender.

han disse...

há algo de muito profundo e um mistério só vosso, que deixa soltar suspiros. gosto da forma como destapas um pouco de vós, tapas o que querem como só vosso, e deixas tapado de nós e de vós aquilo que não tem de ser compreendido - a essência do amor, talvez.

marta. disse...

Eu viajo, por cada texto que leio teu.

Cainã Ito disse...

Pessoas entram em nossa vida para sempre nos ensinar coisas da vida, sejam elas passageiras ou não. O importante é saber absorver o que há de melhor em cada amor e cada momento que vivemos.Pequenos gestos nos tornam melhores = )
Belo texto Daniela Fernandes.

Cau disse...

Apesar de tudo é um texto tão romântico que o meu coração derreteu, a sério. Tens uma forma tão doce de te expressar. Adoro ler-te.

claire disse...

vim aqui agora e tenho mesmo de partilhar uma coisa contigo: deixas-me a sorrir quando aqui venho sabes porquê? tens aqui um dos melhores excertos que já li, de uma rapariga que já não escreve no blog à imenso. («Somos o que nunca se preenche, os pedacinhos que deixamos em aberto. Nunca poderemos saber o que nos habita. Permaneceremos, para sempre, estranhos para nós e em nós. Somos feitos daquilo que não nos define.» Isabel Maia) e eu adoro, porque tem tudo que ver comigo e deixa-me a sorrir sempre que passo por aqui e vejo outra vez estas mesmas palavras

claire disse...

se não estou em erro ou a fazer confusão,eu seguia esse blog e deixou de aparecer os posts recentes, por isso deduzo que não tenha escrito ou então tenha mudado de casa

claire disse...

A sério? Agora deixaste-me chocada.. já tinha reparado que tinhas a frase á imenso tempo aqui no teu blog, e sempre associei a esse blog que costumava seguir porque foi lá que vi essa frase. sendo assim, e também por nunca mais ter dado noticia dessa rapariga e desse blog começo a duvidar do que lá escrevia.. era um blog que gostava bastante por acaso,pena já me lembrar do nome para te mostrar! (deixa-me que te diga que sendo assim,tens uma professora com um talento enorme)

claire disse...

pois é pena mesmo.. quem sabe ainda publique o segundo! nota-se que falas dela com carinho e que lhe tens uma grande estima. é essencial termos pessoas dessas na nossa vida,que nos marcam:))

Cátiia Bandeira disse...

jura? estamos destinas a ser não "almas gemeas" mas sim
"ferias-gemeas" prepara-te os teus pais na 2 lua de mel vao a Madeira :p

marta. disse...

Eu é que te tenho a agradecer. <3

Diana Loureiro disse...

Adorei! Muito lindo :3
dianaloureiro.blogspot.pt

Enviar um comentário

«I don’t care if you’re black, white, straight, bisexual, gay, lesbian, short, tall, fat, skinny, rich or poor. If you’re nice to me, I’ll be nice to you.
Simple as that.»