sábado, 9 de abril de 2011

Para sempre, talvez.


Não posso dizer que sou portadora de uma longa vida, no entanto, é-me possivel afirmar que durante estes anos já passei por várias fases.

Já acreditei que os "para sempre" podia realmente existir se as pessoas assim o desejassem. Para depois me aperceber de que as coisas nem sempre correm como queremos, e assim, deixei de acreditar neles.

Agora, digo que tudo é eterno até acabar. Digo que os raros "para sempre" permanecem junto daqueles que trabalham para eles constantemente e que, modestamente, não os tentam alcançar.

45 comentários:

carina, disse...

está lindo, adorei *

BorbLady disse...

concordo plenamente contigo (:

BorbLady disse...

ohn, de nada querida (:

Marcela disse...

Verdade (: Não podemos nos iludir mas também temos que acreditar na felicidade de quando estamos juntos de uma pessoa querida. E claro, temos que tentar sempre tornar esses momentos inesquecíveis ;D

bjs

Ines disse...

Concordo Daniela :)

carina, disse...

obrigad :)

alexandrapinto disse...

concordo!
e de uma maneira ou de outra, vou recordar-te para sempre $:

Sara Pereira disse...

O Para sempre é um mistério amor.

Nádia disse...

"Digo que os raros "para sempre" permanecem junto daqueles que trabalham para eles constantemente e que, modestamente, não os tentam alcançar." concordo totalmente *

Sara Martins disse...

que bom ouvir isso, linda <3

Ines disse...

Pois ando daniela :D

Beijinho gosto muito de ti <3

Isabel disse...

Concordo totalmente !

Isabel disse...

Ando sim *.*

marta disse...

gostei do blog (: , estou a seguir *

joanarocha :) disse...

concordo! esta lindo :)

Nádia disse...

obrigada eu, sempre *

Sara Pereira disse...

Não gozes comigo , se não eu chamo-te feia .
Para tu veres que quando quero consigo :D
amo-tee

IM disse...

Podia ficar horas a discorrer sobre isto, Daniela, mas tu não mereces tamanha seca, portanto, deixo-te o Virgílio Ferreira:

«Sim, a eternidade é o nosso signo. Não começámos a existir nem o fim da existência o entendemos como fim. Por isso não sentimos que não existimos antes de começarmos a existir mas apenas que tudo isso que aconteceu antes de termos existido foi apenas qualquer coisa a que por acaso não assistimos como a muito do que acontece no nosso tempo. E à morte invencivelmente a ultrapassamos para nos pormos a existir depois dela. O prazer que nos dá a história do passado, sobretudo os documentos que no-lo dão flagrantemente, vem de nos sentirmos prolongados até lá, de nos sentirmos de facto presentes nesse modo de ser contemporâneos. Mas sobretudo há em nós uma memória-limite, uma memória absoluta que não tem nada de referenciável e se prolonga ao sem fim. Do mesmo modo há o futuro que é pura projecção de nós, apelo irreprimível a um amanhã sem termo ou sem amanhã. Por isso a morte nos angustia e sobretudo nos intriga por nos provar à evidência o que profundamente não conseguimos compreender. Mas sobretudo a eternidade é o que se nos impõe no instante em que vivemos. O tempo não passa por nós e daí vem a impossibilidade de nos sentirmos envelhecer. Sabemo-lo na realidade, mas é um saber de fora. Repetimo-lo a nós próprios para enfim o aprendermos, mas é uma matéria difícil que jamais conseguimos dominar. Por isso estranhamos que os nossos filhos cresçam e se ergam perante nós como adultos que não deviam ser. Por isso estranhamos os jovens pela sua estranheza de que quiséssemos porventura ser jovens como eles. Instintivamente sentimos que é um abuso eles tomarem o lugar que nos pertencia e nos desalojem do lugar que era nosso. Por isso sofremos, não bem por perdermos o que nos pertencia, mas pela dificuldade de isso entendermos. Há uma oposição frontal entre o nosso íntimo sentir e a realidade que isso nos desmente. Somos eternos, mas vivemos no tempo. Somos imutáveis, mas tudo à nossa volta se muda e nos impõe a mudança. Somos divinos, mas de terrena condição. É essa condição que sabemos, mas não conseguimos aprender. Nesta oposição se gera toda a grandeza do homem e a tragédia que o marcou. Os que se fixam num dos termos são deuses iludidos ou animais que não chegaram a homens. Porque o verdadeiro homem é deus por vocação e animal por necessidade.

Vergílio Ferreira, in 'Conta-Corrente 3'

Sara Martins disse...

sei que sim <3

Aerton - P.M disse...

esta tudo bem dito neste post

joanarocha :) disse...

muito obrigada daniela, mesmo *.*

M A R I S A ' disse...

Então tiveste boa nota ou não? :b

ana disse...

tudo o que começa, por vezes tem o fim :s

Aerton - P.M disse...

concordo sim

como tu mesmo disseste: "tudo é eterno até acabar"

ana disse...

é verdade!
tudo bem ? (:

Aerton - P.M disse...

nao faz mal

olha que isso pode ser um pequeno virus

Aerton - P.M disse...

tens que ver se consegues tirar isso

tens antivirus?

Flávio Miguel Mata disse...

Também gostei :D

Aerton - P.M disse...

pois quem olha para aquilo nao diz que é pao...

Aerton - P.M disse...

as vezes os antivirus nao impedem tudo

nao deve ser grave tambem... mas verifica na mesma

M A R I S A ' disse...

Hum :/ Vai-te baixar muito a nota final?

M A R I S A ' disse...

"tudo é eterno até acabar" é mesmo :s

M A R I S A ' disse...

Tens que subir para o próximo período então :x

hayley bellamy disse...

rapariga! eu não podia estar mais de acordo contigo! Opá é mesmo! gente estúpida que só sabe é criticar mas decerto não fazia melhor. caga nos assentos. é na boa :p

hayley bellamy disse...

http://weheartit.com/tag/drawing

hayley bellamy disse...

de nada. procura nesse site tipo "draw", "draft" e isso

alexandrapinto disse...

Fico feliz *.*

M A R I S A ' disse...

Estuda e faz o prof ver como és boa, assim ele vai ter que te dar a nota mesmo que não queira :b

Aerton - P.M disse...

faz o rastreio do pc

ana disse...

também está tudo bem :)

marta disse...

Aviso: vou privar o blog. Se quiseres continuar a seguir, deixa o e-mail. Beijo, quase perfeito.

hayley bellamy disse...

que amor que és!

ana patrícia disse...

muito obrigada! sigo também :3

ana patrícia disse...

tão bom de saber, :')

ana patrícia disse...

muito obrigada querida, :')

Enviar um comentário

«I don’t care if you’re black, white, straight, bisexual, gay, lesbian, short, tall, fat, skinny, rich or poor. If you’re nice to me, I’ll be nice to you.
Simple as that.»