sábado, 16 de julho de 2011


Até à data, nunca me deparei com alguém capaz de manter coordenadas as suas palavras com as suas atitudes. Todos me dizem uma coisa e fazem outra. Prometem tudo, sabendo que nada têm para dar, mas nem isso os impede de darem garantias. Já ninguém dá valor às palavras, muito menos acredita naquilo que diz.
Eu tenho de ser do contra. Sou sempre. Eu agarro-me verdadeiramente às palavras. Meço tudo aquilo que digo, e tudo aquilo que oiço. Leio as entrelinhas que nem sequer existem, porque caio no erro de achar que, no fundo, todos somos iguais e penso que todos têm as mesmas intenções que eu. Nem compreendo o facto de assim não ser.

17 comentários:

• cláudiasofiagomes disse...

és uma excepção :)

CARINA disse...

adorei:)

CARINA disse...

não tens de agradecer:)

Flávio Miguel Mata disse...

Concordo contigo. As pessoas não depositam qualquer valor nas palavras, dizem as coisas por dizer e quando as ouvem nem se quer conseguem perceber o quão valiosas podem ser.

ana patrícia disse...

quando vais à parte do design, onde tens aquela parte que podes adicionar ou remover elementos de página, em cima diz Favicon. é aí. é uma nova funcionalidade do blogger. :)

joanarocha disse...

gostei (:

IM disse...

Vamos por partes...essa coordenação entre palavras e actos é o que chamamos de «coerência». Bem, confesso que tenho tido mais sorte, ou seja, tenho conhecido pessoas em que há coordenação entre uma coisa e outra, embora não sejam muitas. Eu própria me incluo aí, sem presunção alguma. Acho que sou bastante coerente e isso até já me tem valido algumas críticas, por incrível que pareça!!
Quanto ao valor que as pessoas dão, ou melhor, não dão às palavras, concordo, de facto. Usam-nas como meros meios para atingir fins, não contando de que forma isso é feito. Jogam com as palavras que usam levianamente. Tiram-lhes a densidade. Fazem delas meros registos.Fazes bem em agarrar-te às palavras sabendo bem que elas muitas vezes não dizem o que queremos dizer e outras «are very unnecessary, they can only do harm»....

Mary* disse...

ninguém é igual a ninguém, felizmente!
Sabes uma coisa, se todas as pessoas fossem como tu ninguém provavelmente se queixaria dos amigos!;)
bj*

InêsMarcelino. disse...

Odorava conseguir medir as palavras como tu medes, precisamos sempre disso, de dizer as coisas como elas são, usando as palavras exactas, mas é tão difícil, especialmente em momentos de pressão (onde são mais necessárias), parabéns!

joanarocha disse...

de nada (:

Flávio Miguel Mata disse...

É verdade, o tempo parece que voa.
Completamente!

ana patrícia disse...

ora essa, qualquer coisa mais que precises e se puder ajudar, dispõe :)

ana patrícia disse...

muito obrigada! :)

- Bianca disse...

Concordo, (:

Mariana disse...

É verdade... Há pessoas que ligam tanto às palavras como aos desconhecidos que passam na rua, não querem saber simplesmente. E dizem o que lhes vem à cabeça sem pensar que não vão cumprir ou que aquilo não é verdade, eu sei o que isso é...
E também tento sempre descobrir para lá do óbvio que foi dito..
mas acho que isso é o que faz "girar o mundo", haver diferentes pessoas e feitios! :)

Ana Luiza Cabral disse...

Acho que também somos ligados a muitas coisas.
Gostei, beijo doce. Ana!

Anónimo disse...

Tens toda a razão Daniela, já como dizia o outro, e eu até concordo "cada um só tem metade daquilo que merece", as pessoas mentem sem dó nem piedade e os outros é que sofrem. Por vezes quem erra nunca chega a pagar pelo que faz, embora se "apanha mais raspidamente um mentiroso do que um coxo"(a diana dos laços de snague é as duas ahahahaha).
Está fantástico, Daniela
Bjs,
Sofia

Enviar um comentário

«I don’t care if you’re black, white, straight, bisexual, gay, lesbian, short, tall, fat, skinny, rich or poor. If you’re nice to me, I’ll be nice to you.
Simple as that.»