sábado, 2 de fevereiro de 2013

Às vezes, sinto que não aguento... é tão difícil esta condição de ter de me conter dentro do meu próprio corpo. Sou pequena demais. Em determinados momentos só gostava de sair de cá de dentro, ver e viver por fora. Às vezes peço e por instantes acredito. É que desta prisão não se foge. Não se escapa. Nem em pensamentos que imagino felizes, mas que não sei, porque eu não sei como é largar-me deste sufoco invisível. Acho apenas que, se me concedessem esta aluada vontade, não teria nada que ver com asas. Seria mais grandioso ainda.

9 comentários:

beatrizpereira disse...

identifico-me tanto. força *

nicolemorais disse...

Está lindo, lindo!

Nidia Gomes disse...

indentifico-me tanto mesmo ... força para nós

Rita M. disse...

Por vezes, quando já não há grandes esperanças, não o teu corpo, mas sim a tua mente, arranja forma de se libertar. Saí cá para fora e percorre o mundo. Outra vezes, é preciso um grande esforço da nossa parte, mas acredita que, de uma maneira ou de outra, irás conseguir libertar-te do sufoco. Muita força, muita coragem!

Emilie disse...

Como compreendo estas tuas palavras. Mas vais ver que encontras forma de te libertares! Força :)

Concordo totalmente com o comentário que me deixaste: cruzamo-nos com muitas Terris na nossa vida e por vezes fechamos os olhos. É um livro que nos ajuda a ver o que nos rodeia de outra forma. E o final foi sem dúvida surpreendente! Não é um livro que se saiba à partida qual é o final, gostei disso :)

Emilie disse...

Sim, quando comecei a ler aquele contexto histórico pensei para mim "oh meu deus, vai ser isto o livro todo?". Mas a Rowling dá a volta às coisas de uma maneira fantástica! Eu gostei bastante da Krystal porque apesar de tudo o que fez (e fazia mal) tinha mais força e maturidade que a própria mãe, encarando a vida de uma forma directa. Mas tenho de ser sincera, gostei de todos os personagens, cada um à sua maneira. E tu?

Emilie disse...

Sim, quando os capítulos eram em redor dessas personagens era sempre muito mais "animado" digamos assim. Pessoalmente, gostava que a Gaia e o Andrew tivessem ficado juntos (se bem que a Gaia preferia que tivesse sido ele a beijá-la e não o Fats!). É o Miles :) Sim, o casamento teve uma reviravolta bonita. Lá está, nunca esperei o final que cada uma das personagens teve. Mas a Sukhvinder mereceu o destaque!

nicolemorais disse...

Sempre foi esse o meu problema... espero conseguir ultrapassar.

danieladias disse...

Compreendo bem essa sensação, mas seremos mais fortes, acredita!

Enviar um comentário

«I don’t care if you’re black, white, straight, bisexual, gay, lesbian, short, tall, fat, skinny, rich or poor. If you’re nice to me, I’ll be nice to you.
Simple as that.»