terça-feira, 21 de junho de 2011



"O que torna as pessoas sociáveis é a sua incapacidade de suportar a solidão e, nela, a si mesmos."

Não há ninguém com quem nos sintamos tão à vontade como com nós próprios, embora muitas vezes seja mais fácil entender o outro do que a nós. É, sem dúvida, bem mais fácil entender os outros e como já alguém disse "Os problemas dos outos resolvem-se bem! Já os nossos..."
Mesmo que os outros sejam muito complicados, tenham muitos defeitos ou coisa má... o que interessa? São e serão sempre os outros. Conseguimos lidar bem com isso.
Agora, connosco? As coisas transfiguram-se... Não podemos fugir daquilo que somos! Temos de conviver realmente connosco e muitas vezes temos medo de nos desiludir com o nosso próprio ser.
Só podemos lidar verdadeiramente connosco, e nem todos têm a capacidade (ou coragem) para o fazer. Assusta-nos o facto de não podermos fugir daquilo que somos. Ao contrário dos outros, dos quais nos podemos facilmente afastar.
Por vezes, somos confrontados com o facto de não termos um motivo ou explicação para as acções ou decisões que tomamos, e mais uma vez, relativamente aos outros... é fácil arranjar umas explicações para as suas acções. Verdadeiras ou falsas, boas ou más, continuam a ser explicações. Sentimos um aparente alívio em arranjarmos as tais explicações.
E, por isto, digo que ser introvertido não é necessariamente uma falta de capacidade em comunicar ou resultado de um trauma. É fruto de uma opção, que se pode demonstrar bem inteligente. Ainda que muitos não o consigam reconhecer.

16 comentários:

joanarocha disse...

gostei tanto *.*

Soraia disse...

Obrigada querida! Também gosto imenso do teu, está simples, mesmo giro :D

E também sigo ;)

joanarocha disse...

tu tens um dom *.*

Soraia disse...

É capaz ahah.

Marta Sofia disse...

muito obrigada, a sério :)

IM disse...

O M .Mason dizia na sua fabulosa Coma White que
«all the drugs in this world won't save her from herself». Podemos fugir do que quisermos, mas não de nós mesmos, por mais estratagemas que encontremos. Resolvemos bem os problemas dos outros, certo? Temos sempre solução e lançamo-nos numa pretensiosa análise sábia de quem sabe o que está a dizer...«olha, fazes bem, fazes mal...»...«Eu no teu lugar, x e y...». Esse pretenso poder afasta-nos dos nossos próprios problemas. Enquanto andamos sabiamente a tratar de resolver os problemas dos outros, vamo-nos esquecendo, habilmente dos nossos.Em relação aos outros achamos sempre que é tudo muito «straight», evidente, simples, explicável com boas ou más razões. Reservamo-nos o direito de pensar que connosco pode ser diferente...
Ser introvertido pode ser muita coisa...em última análise, uma defesa...uma forma de observar sem ser atacado, uma forma de absorver a realidade num silêncio. Não tem de ser mau (a menos que valha 10% da nota!!!!!), muito pelo contrário. O meu amigo Camus dizia que «um homem é muito mais homem por aquilo que cala do que por aquilo que diz». Às vezes não é tanto o que dizemos que nos «denuncia», mas o que ocultamos. Por isso umas pessoas são enigmáticas, misteriosas e outras parecem nada mais terem para descobrir depois de 10 minutos de conversa.

Anónimo disse...

IM: Nem mais! :-)
Pooois, os 10% !!! Eu andava a adiar para a aula seguinte... o período é que foi curto demais ahaha

daniela fernandes

jo disse...

A minha mãe diz-me sempre : para os problemas dos outros tens sempre solução, para os teus é que é mais dificil.

(é bem verdade, os problemas dos outros são sempre mais faceis que os nossos)

alexandrapinto disse...

Olá fofinha :b
Comigo anda tudo bem e contigo? *.* <3

Carla disse...

pena os exames. =/

Marta Sofia disse...

não consegues, porque ? :o

Marta Sofia disse...

eu meto a barra de seguidores:)

Carla disse...

também não gostava nada. =/
Mas foi muito?=/

Marta Sofia disse...

já tem la a hiperligação :)

Anónimo disse...

Fantástico Daniela, nem consigo dizer nada! A sério, estou sem reacção!
Meu Deus...
Parabéns, mts bjs
:)
Inner Silence

Marta Sofia disse...

obrigada fofinha *.*

Enviar um comentário

«I don’t care if you’re black, white, straight, bisexual, gay, lesbian, short, tall, fat, skinny, rich or poor. If you’re nice to me, I’ll be nice to you.
Simple as that.»